quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

EU FICO



Apesar da porta estar rarefeita aberta
Eu nunca, nunca conseguirei partir.
Mesmo quando você diz...
Que meu sal e açúcar não basta para
     [completar o tempero da sua degustação.
Apesar da imensa dor, ainda não desisto...
Acima de qualquer coisa, há esperança,
sobrepondo minha afirmação renegada:
- Se o amor é único, porquê deixá-lo partir?
Vou ao fundo do poço,
Vou ao abismo mais obscuro,
Vou à insanidade,
Vou ao mar, azul e profundo...
Se preciso, vou ao tempo.
Lembrar-te o ato em que a vida sobrou tanto.




Marcela Barreto


Nenhum comentário:

Postar um comentário

• Viva aos comentários reflexivos!